Se teve uma coisa que escutamos (e, experienciamos) durante a pandemia do Coronavírus foi o tal do “EAD” ou “Ensino à distância”. Deu até impressão de que essa prática nasceu após devido ao caos que a gente se encontrou no quesito educação. Mas não. O ensino à distância já existia há algum tempo.

A primeira ouviu-se falar mundialmente em ensino à distância, não foi nada parecido com o que temos hoje em dia. Isso porque aconteceu em 1928. E claro, nessa época não tínhamos tanta tecnologia como temos hoje.

E como aconteceu?

Calleb Phillips, um professor norte-americano, foi o pioneiro internacional no que chamamos de “educação por correspondência”. Ele transformava seus conteúdos sobre Taquigrafia em cartas e as enviava aos seus alunos.

Já no Brasil, o primeiro contato que tivemos com o EAD foi ainda antes. Em 1904, em um jornal, era oferecido um curso voltado para datilografia por meio de correspondência. E quem estava interessado em se especializar em profissões ligadas à indústria era o público-alvo.

A partir daí, fomos nos atualizando. Vieram as aulas via rádio, via televisão, via disquete etc.

Até chegar no modelo de EAD que conhecemos hoje.

Em 1996 instaurou-se a lei n.º 9.394, que regulamentou e tornou válida a educação a distância para todos os níveis de escolarização, porém foi só em 1999 que o MEC (Ministério da Educação) credenciou o ensino superior ao EAD.

É a melhor forma de disseminar conhecimento em massa.

No ano de 2020 o EAD ficou mais popular e aos poucos foi sendo mais aceito pelas pessoas, afinal, remotamente foi a forma mais fácil de se virar em meio a uma pandemia a qual as escolas e faculdades não conseguiriam ter nenhuma gerência sobre quando o vírus iria parar de se proliferar.

Uma pesquisa da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES), fez uma projeção de que em 2023 no Brasil, teremos mais alunos matriculados no ensino à distância do que na modalidade presencial.Isso acontece porque as pessoas já foram submetidas a essa modalidade e viram que dá certo. Perdeu-se o medo do desconhecido. E também porque existem muitas vantagens em estudar EAD.

É uma alternativa interessante para quem precisa de flexibilidade para estudar. Você consegue adquirir conhecimento sem a necessidade de se deslocar.

Para quem trabalha em período integral e procura aperfeiçoar-se também é uma vantagem não ter que pensar em tempo de deslocamento.

A mensalidade também costuma ser mais barata, afinal os gastos com infraestrutura diminuem também (diferentemente das aulas presenciais que acontecem remotamente em períodos de pandemia).

Diminui-se consideravelmente os gastos pois além de uma mensalidade mais barata, não se gasta com deslocamento (combustível ou transporte), não se gasta com comida fora de casa.

O estudante tem a liberdade de rotina estabelecida por ele mesmo, sem depender de estar em um mesmo ambiente que o professor, no mesmo horário.

Para estudantes que já estão inseridos no mercado de trabalho ou que já tem uma primeira graduação presencial, a graduação presencial não costuma ser uma prioridade. Para eles é muito mais vantajoso cursar online. Pois essa modalidade permite que o aluno concilie facilmente os estudos com outros compromissos.

O que se deve pensar antes de se matricular em uma graduação EAD:

 À distância, o estudante precisa ser muito mais auto suficiente, ter um perfil mais individual.
É certo que é bastante tentador ter a autonomia para decidir os dias e horários para dedicar-se aos estudos, mas é importante lembrar que é preciso ter disciplina para conseguir se organizar e absorver o conteúdo. 

É uma modalidade que exige bastante foco, pois ninguém estará te monitorando atrás da tela do computador para te ajudar a prestar atenção na aula.

No EAD é mais difícil fazer as amizades que são uma parte fundamental da vida universitária. Não há um contato tão frequente com os colegas de classe.

O ambiente não é sempre tão preparado para estudar quanto uma sala de aula, é o que você escolheu para ficar durante os estudos. Pode ou não ser um ambiente silencioso, estimulador etc.

Lembrando que na modalidade presencial você não é dono da sua agenda, você precisa seguir o cronograma da faculdade.

Em contrapartida, no presencial há o contato físico com os outros alunos diariamente sendo mais fácil de criar vínculos. Além do contato com os professores, com um ambiente físico preparado para o aprendizado. Há um envolvimento maior com a vida universitária. 

É de se colocar em uma balança e analisar o que é mais importante para cada um.

Antes de optar entre o presencial ou EAD, é importante o candidato checar se os cursos são reconhecidos pelo Ministério da Educação (MEC) – os da FAM são.

No que isso muda?

Porque quando são cursos EAD reconhecidos pelo MEC, o diploma emitido é igual ao de uma graduação presencial.

 

CONHEÇA AS GRADUAÇÕES EAD DA FAM:

  1. Administração
  2. Logística
  3. Marketing
  4. Pedagogia
  5. Recursos Humanos